Área restrita

O debate foi realizado, nestas terça e quarta-feira (12 e 13), no Hotel Boulevard São Luiz, no centro de São Paulo

trabalhadores-do-santander-definem-pauta-para-renovacao-do-a_6d163f118301137ff2558c70407a9b67Os representantes dos funcionários do Santander de todo o Brasil reunidos, nestas terça e quarta-feira (12 e 13), no Hotel Boulevard São Luiz, no centro de São Paulo, definiram as pautas para a renovação da minuta do aditivo à Convenção Coletiva de Trabalho com o banco. No encontro, as principais reivindicações foram abordadas em quatro grupos de trabalho. O grupo 1 - Planos de Saúde e Previdência Privada, apontou que o Banesprev deve ser a entidade previdenciária da empresa responsável pela administração de todos os planos de benefícios de seus funcionários no país (exceto Bandeprev). No segundo grupo, onde foi abordado Saúde do Trabalhador, destacou-se a jornada gradual quando do retorno da licença médica, e que o exame demissional seja feito por todos os trabalhadores e sua convocação não aconteça no mesmo dia da demissão. O grupo 3, que debateu Emprego e Condições de Trabalho, pontuou a inclusão de uma nova cláusula, em que na Garantia de Emprego, caso haja reestruturação do banco que impacte na empregabilidade (redução de postos de trabalho), possa ser debatido junto aos sindicatos. Também discutiu o impacto da Avalição de Desempenho na concessão de bônus, transferências, demissões, etc. Além da inserção de cláusulas no aditivo sobre o fim do banco de horas. Já o grupo 4 – PPRS, pediu para incluir na minuta uma cláusula que se reporta à discussão da cláusula 57 da CCT 2015/2016, além de aumentar o patamar mínimo da PPRS. Ficou definido uma maior divulgação do PPRS com  objetivo de demonstrar como funciona, reivindicar os números do banco, além de conhecer os programas próprios da instituição financeira.  

Fonte: Contraf-CUT

A falta de condições de acessibilidade para que um trabalhador com deficiência desempenhasse suas funções em uma unidade do banco Santander na capital paulista rendeu ao ex-funcionário uma indenização por danos morais no valor de R$ 200 mil. Cabe recurso à decisão de primeira instância. O músico Eduardo José Magalhães Martins Júnior, 43, o Dudé, foi contratado pelo banco, em 2010, após passar por um processo seletivo exclusivo para pessoas com deficiência visando o cumprimento da Lei de Cotas. Com má-formação nos braços e na perna direita, Eduardo necessitava de um ambiente de trabalho perto de casa —para ter apoio de um familiar na hora de ir ao banheiro—, sem escadas —pois tem dificuldade para vencer degraus—, e uma mesa mais alta, adaptada para ele manipular objetos com os antebraços e com a boca. Mas, no começo de 2012, o escritório do banco mudou de endereço e os problemas de Dudé começaram a se multiplicar. O novo ambiente não tinha elevador e era longe de sua casa, segundo o músico.Até o final de 2011, quase tudo havia sido fornecido a ele, menos uma mesa apropriada. A que ele usava era improvisada com listas telefônicas, por exemplo. "Trabalhava em estresse constante. Era como se eles [o banco] me testassem. Fui acumulando funções. Me colocaram pra buscar documentos na parte inferior da agência, então subia e descia as escadas com ajuda de outras pessoas três, quatro vezes por dia", conta ele. Para tentar resolver a questão fisiológica, o músico afirma que passou a "controlar a ingestão de líquidos ao máximo para não dar vontade de ir ao banheiro". GRAVIDADE - Em sua decisão, a juíza Débora Cristina Rios Fittipaldi Federigui, da 7ª Vara do Trabalho da capital, declara que o valor estipulado para a indenização, além "da gravidade da falta, a intensidade do dano e a capacidade econômica" do banco considerou também "seu caráter não apenas reparatório e punitivo, mas, também, pedagógico". Segundo a magistrada, "o direito do deficiente à acessibilidade é indisponível e irrenunciável, cabendo ao empregador a obrigação de propiciar os meios necessários ao seu efetivo e pleno gozo". Por meio de sua assessoria, o Santander limitou-se a informar que "não se pronuncia em casos sub judice". Não declarou se pretende recorrer nem apresentou defesa. Fonte: Folha de S.Paulo / Jairo Marques   

Durante dois dias, os participantes vão definir as reivindicações específicas dos funcionários do banco

O Encontro Nacional dos Funcionários do Santander, promovido pela Contraf-CUT, acontece nesta terça (12) e na quarta-feira (13), no Hotel Boulevard São Luiz, no centro de São Paulo. Durante dois dias, 103 participantes vão definir as reivindicações específicas dos funcionários do banco, que constarão na minuta do aditivo à Convenção Coletiva de Trabalho a ser entregue ao banco durante as negociações da Campanha Nacional da categoria.

Neste ano, o encontro começa com uma análise da conjuntura nacional, que será realizada pelo presidente da Contraf-CUT, Roberto von der Osten. Ele também irá falar sobre as perspectivas da Campanha Nacional 2016. O Dieese apresentará informações sobre PLR e PPRS e suas legislações. O que os bancários esperam da campanha também estará em debate, com a apresentação da consulta nacional.

Trabalhos em grupo discutirão planos de saúde e previdência privada, saúde do trabalhador, emprego e condições de trabalho, além do PPRS. Todos os quatro grupos também irão debater estratégia e plano de lutas.

A apresentação do trabalho de cada grupo ocorrerá no segundo dia, quando também serão definidos a pauta de reivindicações específicas, ações de luta e o calendário com as próximas atividades.

Fonte: Contraf-CUT

03-09-2016 Atividade Santander REgional SBC (2) 03-09-2016 Atividade Santander REgional SBC (4) 03-09-2016 Atividade Santander REgional SBC (5)Diretores do Sindicato fecharam três agências do Santander nesta quarta-feira, 9, para protestar contra o descumprimento de um acordo que ​deveria representar​ um avanço nas relações de trabalho na Regional​ São Bernardo, mas não está ​sendo cumprindo. A manifestação dessa quarta acontece em uma agência em Diadema e duas em São Bernardo do Campo como forma de denunciar o problema à sociedade e exigir providências.

As agências dessa Regional são exemplo de como não deve ser um ambiente de trabalho. Apesar de o banco ter como referência na relação com seus trabalhadores o Termo de Compromisso de Relações Laborais - Boas Práticas, seus itens não são cumpridos nessas agências.

Pelo que estabelece o “Boas Práticas” um funcionário não pode ser exposto nem submetido a castigos ou brincadeiras. Os gestores devem evitar o tom de cobrança e priorizar o estímulo e a motivação. A exposição de ranking, divulgação de resultados por e-mails citando funcionário por baixa performance e cobrança por resultados no telefone particular também são ações terminantemente proibidas pelo acordo. Mas o que vem acontecendo, denunciam os trabalhadores, é pura humilhação, com a exposição dos bancários submetidos a atitudes grosseiras. É assédio moral, que deve ser coibido em qualquer local.

Aliás, questiona o diretor sindical Ageu Ribeiro, se o próprio banco condena o assédio fica difícil entender por que alguns gestores insistem em praticá-lo. Outros problemas presentes são a extrapolação da jornada de trabalho, a discriminação aos que retornam de licença médica e a falta de orientação adequada. “O acordo representou um avanço nas relações de trabalho, com efeito muito positivo para os bancários. No entanto, se é desrespeitado, não cumpre sua função, que é a de propiciar um bom ambiente de trabalho. E um bom ambiente de trabalho é indispensável tanto para o bem-estar do funcionário quanto o de usuários e clientes do Santander”, conclui Ageu.

O Santander pagará na folha de fevereiro, que sai na sexta-feira (19), a segunda parte da Participação nos Lucros e Resultados (PLR) e o valor do Programa de Participação nos Resultados Santander (PPRS). A forma de pagamento foi comunicada nesta sexta-feira (29) para a Contraf-CUT.

PLR

Em razão do impacto do lucro de R$6,2 bi, os valores de PLR regra básica e adicional ocorrerão pelo teto, sendo:

- Regra básica: 2,2 salários (limitado a R$23.861,00, conforme a CCT)

 - Adicional: R$ 4.043,58 (limite individual da parcela adicional da PLR. O valor é determinado pela divisão linear da importância equivalente a 2,2% do lucro líquido do exercício de 2015, pelo número total de empregados elegíveis, como consta da CCT)

PPRS

O valor da PPRS- Programa de Participação nos Resultados Santander será de R$ 2.016,00.  No acordo específico é garantido este valor mínimo, que será recebido integralmente por quem não recebe outros programas. Os funcionários que já receberam de outros programas - renda variável, por exemplo-  devem descontar o valor recebido deste total.

Veja abaixo uma simulação dos valores a serem recebidos, de acordo a faixa salarial.  Destes valores deverá ser descontada a antecipação da PLR recebida em novembro e haverá incidência de imposto de renda na fonte.

Fonte: Contraf-CUT

Programa próprio de remuneração também vem nessa data 

O Santander confirmou, nesta quinta-feira (28), a antecipação da PLR para o dia 19 de fevereiro. O repasse será efetuado juntamente com o pagamento do programa próprio de remuneração PPRS.

O Santander obteve em 2015, lucro líquido gerencial de R$ 6,6 bilhões, com crescimento de 13,2% em relação à 2014. O retorno sobre o Patrimônio Líquido Médio Anualizado (ROE) ficou em 12,8%, com crescimento de 1,3 ponto percentual em doze meses. O lucro obtido no Brasil representou 19% do lucro global que foi de € 6,566 bilhões (alta de 12,9% em relação a 2014). Os bons resultados, entretanto, não se refletiram nas remunerações, em contratações suficientes e na melhoria das condições de trabalho no banco.

Segundo a análise feita pelo Dieese, a holding encerrou o ano de 2015 com 50.024 empregados, com aumento de 715 postos de trabalho em relação a 2014. Foram abertas 10 agências nesse período e o número de cliente cresceu em R$ 1,3 milhão.

“Os funcionários no Santander não se sentem reconhecidos por contribuírem diretamente para  bons resultados que banco apresentou em 2015. As contratações aumentaram cerca de 1,5% em comparação ao ano anterior, mesmo com o aumento de clientes, a abertura de novas agências e o excesso de trabalho, que há muito tempo é realidade na maioria dos locais”, afirma Mario Raia, secretário de Relações Internacionais da Contraf-CUT e funcionário do Santander.

O Santander foi o primeiro dos grandes bancos a publicar o balanço do ano passado, uma vez que os resultados já foram apresentados, a Contraf-CUT está entrando em contato para que seja feito o adiantamento do pagamento da PLR-Participação nos Lucros e Resultados. Além da PLR, os funcionários do Santander também devem receber a PPRS- Programa de Participação nos Resultados Santander.

Banco foi favorecido com aumento da taxa de juros - O banco também se favoreceu com o aumento do aumento das taxas de juros O crescimento das receitas com Títulos e Valores Mobiliários (TVM) foi diretamente influenciado pelos sucessivos aumentos na taxa Selic e elevação nos índices de preços. No Santander, essas receitas apresentaram crescimento de 68,1%, totalizando R$ 29,5 bilhões.

Tarifas pagam despesas com sobra - A receita com prestação de serviços mais a renda das tarifas bancárias cresceu 7,3% no período, totalizando R$ 11,9 bilhões. As despesas de pessoal subiram 9,4%, atingindo R$ 8,1 bilhões. Assim, em 2015, a cobertura dessas despesas pelas receitas secundárias do banco foi de 146,9%.

 Fonte: Contraf-CUT

Mais Artigos...