Área restrita

assembleiabanesprev28012017No último sábado, dia 28, mais de 1.600 banespianos, representando cerca de 7 mil pessoas, se dirigiram ao E.C. Banespa, em São Paulo, para dar um recado ao Santander: NÃO à reforma estatutária do Banesprev nos moldes apresentados pela patrocinadora.

Antes disso, os colegas do Plano II deliberaram por unanimidade o plano de custeio, referente aos anos 2015/2016, com ressalvas sobre o serviço passado. Neste primeiro momento não houve contestações. Mas a segunda assembleia foi marcada por várias intervenções de colegas que vieram em caravanas de diversas localidades (de municípios paulistas e de outros estados). 

O NÃO ecoou pelo Salão Social do Clube e deixou claro que a luta em defesa do Banesprev vai continuar. A negativa à proposta de reforma estatutária foi massiva. Foram registrados apenas dois votos a favor - o do presidente do Banesprev, Jarbas de Biagi, e o do diretor de Seguridade, Flavio Bettio - ambos indicados pela patrocinadora.

Unidade importante para barrar retirada de direitos

O clima amistoso e de pensamento unitário foi marcante no evento. Todos juntos com o mesmo objetivo de defender a governança e a transparência do Banesprev, com o apoio das associações de banespianos, sindicatos, federações e da Contraf.  Essa união é essencial para reforçar a defesa do Banesprev e tem sido bastante elogiada pelos banespianos em diversos canais de comunicação, como nas redes sociais. Importante destacar que a unidade deve permanecer para outras questões, caso da reforma do estatuto da Cabesp, que está por vir.

Para o presidente da Afubesp, Camilo Fernandes, “esse ataque do Banesprev e do Santander à governança e transparência do nosso fundo de pensão é um absurdo e um contrassenso, porque o Banesprev é tido como referência no sistema de previdência complementar justamente por esses dois quesitos”. 

Ele lembra que a proposta original, o banco queria também tirar as eleições para diretores. "Graças ao avanço das negociações o banco foi voltando atrás. Houve várias reuniões a pedidos dos sindicatos e associações junto com o Banesprev. Estávamos em uma boa discussão com o banco até que travou na questão do Conselho Deliberativo e da Assembleia de participantes. Na última rodada de negociação, o banco chegou a aceitar manter a assembleia, mas queria extinguir a sétima vaga do Conselho, pertencente à Direp. No nosso entendimento, ficando com quatro representantes, e os participantes com apenas dois, o Santander poderia numa próxima reunião, inclusive, extinguir a assembleia", explica Fernandes, que também é conselheiro deliberativo eleito do Fundo.

Nessas reuniões, os representantes eleitos deixaram claro para o banco que os grandes problemas sobre composição no Conselho Deliberativo são nas questões de mudanças de Estatuto e de Regulamento. "Como tínhamos originalmente 2/3 no conselho (2 eleitos, 1 da Direp, e 4 indicados pelo banco), e a ideia da patrocinadora é extinguir a vaga do Diretor Representante, propomos que o banco deveria ter 80% de aprovação nesses casos, ou seja seria preciso convencer um eleito para as alterações passarem", explicou Fernandes. 

No entanto, a proposta não foi aceita levantando a seguinte questão: “Qual é a real intenção do banco?” Além de não concordar, o Santander interrompeu o processo negocial, levou a proposta para o Conselho Deliberativo, que foi aprovada com voto contrário dos conselheiros eleitos e dos diretores eleitos, e chamou a assembleia para deliberar.

Durante a assembleia, os participantes também foram informados sobre reunião realizada na Previc, em Brasília, a respeito da reforma estatutária neste mês, com a presença do presidente da Afubesp. 

Ao final, os participantes pediram que o Banesprev encaminhe para a autarquia as fotos e gravação em vídeo da assembleia junto com a ata, ressalvas e o voto dos participantes, que contem proposta alternativa apresentada pelos representantes eleitos, associações e sindicatos, para que a Previc tenha real dimensão da situação.

Próximos passos

O evento também aprovou a realização de um grande ato em frente à Torre Santander (matriz do banco espanhol, onde fica o presidente do banco no Brasil, Sérgio Rial), às 11 horas, no dia 8 de fevereiro.

A atividade, proposta pela diretora do Sindicato dos Bancários de São Paulo e vice-presidente da Afubesp, Rita Berlofa, busca mostrar, mais uma vez, ao Santander a força e mobilização dos banespianos. É muito importante a presença do maior número de pessoas possível neste ato, que será chamado por todas as associações, sindicatos e demais entidades sindicais.

Camilo Fernandes também sugeriu uma caravana a Brasília com a presença de 50 a 100 colegas para uma atividade na Previc a fim de sensibilizar os representantes da autarquia sobre essa questão da reforma do estatuto do Banesprev. A atividade será discutida entre as entidades futuramente.

Fonte: Afubesp

Após nove rodadas de negociação, avaliação final é positiva

[caption id="attachment_12336" align="alignright" width="640"]img_3225 Eric Nilson, secretário geral da Fetec-SP (segundo à direita), com os diretores do Sindicato, Rafael Lara, Ageu Ribeiro, Itamar Batista e a superintendente de Relações Sindicais, Fabiana Ribeiro, e a vice-presidente de Recursos Humanos, Vanessa Lobato.[/caption]

A renovação do acordo aditivo à Convenção Coletiva de Trabalho no Santander foi oficializada nesta quinta-feira, 1º de dezembro, durante encontro entre representantes sindicais e da empresa na Torre do banco na Vila Olímpia, em São Paulo. Após a realização de várias rodadas de negociação, o desfecho é considerado positivo pelos sindicalistas.

“Foi difícil, mas o resultado valeu a pena”, apontou Eric Nilson, que representou a Fetec-SP. “O acordo é valioso porque trata de problemas enfrentados no dia a dia, abordando temas como o assédio moral e as condições de trabalho”, acrescenta o diretor do Sindicato Ageu Ribeiro. Pelo banco, participaram a superintendente de Relações Sindicais, Fabiana Ribeiro, e a vice-presidente de Recursos Humanos, Vanessa Lobato.

A assinatura para renovação do acordo aditivo só se tornou possível após a realização de nove rodadas de negociação e assembleias para aprovação ocorridas em todo o Brasil. O aditivo segue o prazo acordado com a Fenaban na campanha da categoria deste ano; ou seja, terá validade de dois anos, de 1º de setembro de 2016 a 31 de agosto de 2018.

Conquistas - Os bancários do Santander conquistaram a correção das bolsas de graduação e pós pelo índice da Fenaban: 8% em 2017 e, em 2018, INPC mais 1% de aumento real. Eles têm direito a 2.500 bolsas, sendo 2 mil para graduação e 500 para pós.

O Programa de Participação nos Resultados do Santander (PPRS) terá reajuste de 9,13% em 2016, que equivale a R$ 2.200. Em 2017, a correção será a da inflação (INPC) mais 1% de aumento real.

O acordo garante que todos os bancários do Santander receberão R$ 2.200 de PPRS referente ao ano de 2016 (o crédito é em março de 2017). Já os que são elegíveis à remuneração variável receberão o que for de maior valor.

A Contraf-CUT e o Santander assinam nesta quinta-feira (1) o Aditivo à Convenção Coletiva 2016/2018, na Torre Santander, em São Paulo.  O aditivo, assim como o acordo fechado com a Fenaban (federação dos bancos) na Campanha 2016, terá validade de dois anos, de 1º de setembro de 2016 a 31 de agosto de 2018. O acordo se viabilizou após nove rodadas de negociação e foi aprovado em assembleias em todo o país.

Os bancários do Santander conquistaram a correção das bolsas de graduação e pós pelo índice da Fenaban: 8% em 2017 e, em 2018, INPC mais 1% de aumento real. Os  funcionários do Santander têm direito a um total de 2.500 bolsas, sendo 2 mil para graduação e 500 para pós.. O Programa de Participação nos Resultados do Santander (PPRS) terá reajuste de 9,13% em 2016, que equivale a R$ 2.200. Em 2017, o programa terá a correção da inflação (INPC) mais 1% de aumento real. O acordo garante que todos os bancários do Santander receberão R$ 2.200 de PPRS referente ao ano de 2016 (o crédito é em março de 2017). Já os trabalhadores que são elegíveis à remuneração variável (o que ganham pelo cumprimento de metas acordadas com o banco) receberão o valor que for maior. Por exemplo, se pelos programas próprios de remuneração variável ele receberia R$ 1.500 em 2016, passa a receber os R$ 2.200 do PPRS. Mas se sua remuneração variável corresponde a R$ 5 mil, receberá os R$ 5 mil.

Fonte: Contraf-CUT

Assembleia no ABC acontece no próximo dia 30

cantanderadit

Depois de nove rodadas de negociação, a Comissão Executiva dos Empregados e os representantes do Santander chegaram a um consenso para a renovação do acordo aditivo à Convenção Coletiva de Trabalho (CCT).

“Obtivemos conquistas importantes como: reajustes no PPRS, nas bolsas de estudo e avançamos com uma cláusula nova, que garante o parcelamento do adiantamento das férias”, comenta Eric Nilson, secretário geral da Fetet-Cut/SP, diretor do Sindicato e representante na negociação da Federação dos Bancários da CUT de São Paulo. O aditivo, assim como o acordo fechado com a Fenaban (Federação dos Bancos) na campanha 2016, terá validade de dois anos: 2016 e 2017.

Assembleia - No próximo dia 30, às 18h30 será realizada a assembleia para referendar o acordo. A assembleia será na Sede do Sindicato - Rua Cel. Francisco Amaro, 87 - Casabranca - Santo André.

Conquistas do acordo

Bolsas de estudo – Os trabalhadores conquistaram a correção das bolsas de graduação e pós pelo índice da Fenaban: 8% em 2016 e, em 2017, INPC mais 1% de aumento real. Os funcionários do Santander têm direito a um total de 2.500 bolsas, sendo 2 mil para graduação e 500 para pós. “É muito importante ressaltar que não há interferência do gestor na concessão das bolsas de estudo, os critérios para escolha dos bolsistas são apenas sociais, maior tempo de casa, menor salário e maior número de dependentes”, explica o secretário geral. PPRS – O Programa de Participação nos Resultados do Santander (PPRS) terá reajuste de 9,13% em 2016, que equivale a R$ 2.200. Em 2017, o programa terá a correção da inflação (INPC) mais 1% de aumento real. O acordo garante que todos os bancários do Santander receberão R$ 2.200 de PPRS referente ao ano de 2016 (o crédito é em março de 2017). Já os trabalhadores que são elegíveis à remuneração variável (o que ganham pelo cumprimento de metas acordadas com o banco) receberão o valor que for maior. Por exemplo, se pelos programas próprios de remuneração variável ele receberia R$ 1.500 em 2016, passa a receber os R$ 2.200 do PPRS. Mas se sua remuneração variável corresponde a R$ 5 mil, receberá os R$ 5 mil. Férias – Em nova cláusula, o aditivo garante aos trabalhadores do Santander o parcelamento, em até três vezes, a devolução do adiantamento das férias, caso façam essa opção. Metas – não chegaram a avanços sobre questões relativas a condições de trabalho, que estão diretamente relacionadas às metas. Estas questões serão debatidas em uma mesa já agendada para dezembro, ainda sem dia definido. Renovadas – Serão renovadas todas as demais cláusulas do acordo, além de todos os termos de compromisso como o de Relações Laborais e Prestação de Serviços Financeiros/Boas Práticas, e o da Cabesp e Banesprev, que garante o patrocínio do banco nessas entidades. O dirigente lembra que mesmo com a negociação do aditivo sendo encerrada, ainda há um canal permanente de negociação com o banco. “Após nove rodadas de negociação, sem dúvida, obtivemos avanços importantes para os bancários do Santander, como a manutenção de cláusulas já existentes e a inclusão direitos ainda não previstos na CCT da categoria, a exemplo do parcelamento do adiantamento das férias”, finaliza Eric. Com informações do Seeb/SP Fonte: FETEC-CUT/SP

Números revelam um crescimento de 6,7% em relação ao mesmo período de 2015. Mesmo com lucros altos, banco fecha 2.495 postos de trabalho

Na divulgação de seu balanço, o banco Santander anunciou um lucro líquido de R$ 5,350 bilhões no terceiro trimestre de 2016 - uma alta de 6,7% em relação ao mesmo período de 2015.

No trimestre o lucro líquido gerencial foi de R$ 1,8 bilhão, alta de 6,5% em relação ao 2º trimestre do ano. O retorno sobre o Patrimônio Líquido Médio Anualizado (ROE) ficou em 12,9%, com crescimento de 0,1% em doze meses. O lucro obtido no Brasil representou 20% do lucro global que foi de € 4,606 bilhões (com queda de 22,5% em doze meses).

A Carteira de Crédito Ampliada do banco teve queda de 6,3% em doze meses e atingiu R$ 311 bilhões e as operações com pessoas físicas cresceram 6,8% em relação a setembro de 2015 e 1,9% no trimestre, chegando a R$ 88,4 bilhões. Já as operações com pessoas jurídicas alcançaram R$ 125,0 bilhões, com queda de 13,9% em doze meses.

Receita das despesas e tarifas

A receita com prestação de serviços mais a renda das tarifas bancárias cresceu 13,9% em doze meses, totalizando R$ 9,86 bilhões. As despesas de pessoal subiram 8,5%, atingindo R$ 6,38 bilhões. Assim, em setembro de 2016, a cobertura dessas despesas pelas receitas secundárias do banco foi de 154,56%.

Paraíso dos rentistas

O Santander divulgou que o lucro no Brasil representa 20% do seu lucro global, deixando para trás o Reino Unido e a Espanha. Ou seja, o Brasil é responsável pela maior parte do lucro do banco espanhol.

Cortes de postos de trabalho

Mesmo com lucros nas alturas, a holding encerrou o 3º trimestre de 2016 com 48.024 empregados, com fechamento de 2.495 postos de trabalho em relação ao mesmo período no ano passado. O número de agências se manteve no período.

Pequenas e média empresas

No segmento de pequenas e médias empresas houve queda de 10,0% e no segmento de grandes empresas, a queda foi de 15,1% em relação a setembro de 2015. O Índice de Inadimplência superior a 90 dias apresentou alta de 0,3 p.p. em doze meses, ficando em 3,5%. Apesar dessa alta, as despesas com provisões para créditos de liquidação duvidosa (PDD) apresentaram queda de 8,7%, totalizando R$ 9,3 bilhões.

O resultado do banco foi influenciado principalmente pelas contas relacionadas a câmbio (derivativos, câmbio e empréstimos e repasses), que geraram receitas de R$ 18,5 bilhões.

Clique aqui e veja a análise do Dieese do lucro do Santander.

Fonte: Contraf-CUT e Dieese

Representantes do banco espanhol ainda não têm posicionamento sobre reivindicações dos trabalhadores que cobram melhorias

impasse-nas-negociacoes-do-aditivo-com-santander_670e860bde4b23d1269806bad1d0b089Prosseguem sem avanços as negociações entre a Comissão de Organização dos Empregados (COE) com a direção do Santander sobre o acordo aditivo à Convenção Coletiva de Trabalho (CCT).

Na quinta-feira, 20, os negociadores do banco não trouxeram respostas às reivindicações dos trabalhadores, mesmo estando com a pauta desde maio. Afirmaram apenas que voltariam a analisar temas do documento. Não há data para nova rodada.

"O banco continua mostrando a falta de consideração com seus funcionários em não mostrar interesse em atender as reivindicações dos trabalhadores. Continuam colocando empecilhos para não renovar o acordo", disse Eric Nilson, secretário geral da Fetec-SP, diretor do Sindicato e funcionário do Santander.

Os dirigentes sindicais insistiram que os funcionários têm de receber valores maiores que em anos anteriores pelo Programa Próprio de Remuneração Santander (PPRS); que o valor das bolsas de estudos tem de ser reajustado e que as metas sejam factíveis e não sofram alterações de uma hora para outra.

Outro ponto considerado relevante pela COE é que o Santander volte a considerar os filhos com idade de 21 a 24 como dependente do funcionário no plano de saúde. De forma unilateral, o banco os enquadrou como agregados, obrigando muitos bancários a retirá-los do convênio médico devido ao alto custo financeiro.

Aposentados cobram abono – Outro ponto da negociação foi a remuneração de cerca de 6 mil funcionários aposentados pelo Banespa. Esse grupo tem assegurado em acordo que os resultados das campanhas salariais sejam utilizados para corrigir os complementos de seus benefícios.

Para o acordo deste ano, os bancos – entre eles o Santander – propuseram o índice de 8% mais abono de R$ 3.500 para os salários. No entanto, o banco espanhol se nega a pagar o abono aos aposentados.

O movimento sindical está solidário aos aposentados. Caso o Santander não dê o mesmo tratamento aos aposentados, estará configurado desrespeito ao acordo.

Mais Artigos...