Área restrita

Banco atende solicitação da Contraf-CUT, federações e sindicatos

O Santander pagará na quarta-feira (20) a primeira parcela da Participação nos Lucros e Resultados (PLR). A instituição financeira atendeu a reivindicação da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), federações e sindicatos, encaminhada a todos os bancos, para a antecipação do valor, definido de acordo com a Convenção Coletiva de Trabalho (CCT), válida para o período 2016/2018

O pagamento da PLR corresponde a 54% do salário mais o valor de R$ 1.346,15. A parcela adicional é de R$ 2.243,58.  A segunda parcela da PLR deve ser paga até março de 2018.

Fonte: Contraf-CUT

Mesmo com lucros astronômicos, banco espanhol continua demitindo e sobrecarregando trabalhadores

O banco Santander no Brasil obteve o maior lucro líquido gerencial de sua história no 1º semestre de 2017. Nos seis primeiros meses do ano o lucro do banco foi de R$ 4,615 bilhões, um crescimento de 33,2%, em relação ao mesmo período de 2016 e de 2,4% em relação ao 1º trimestre de 2017. A rentabilidade (retorno sobre o Patrimônio Líquido médio anualizado – ROE) ficou em 15,9%, com aumento de 3,1 pontos percentuais em doze meses. O Brasil continua sendo o país mais lucrativo entre todos nos quais o banco atua. O lucro obtido no Brasil representa 26% do lucro global da Instituição, € 3,616 bilhões. Em seguida vem o Reino Unido, com 17%, e a Espanha, com 15%.

Mas, o excelente desempenho do banco no Brasil não foi suficiente para impedir a redução de postos de trabalho no país. A holding encerrou o 1º semestre de 2017 com 46.596 empregados, com queda expressiva de 2.281 postos de trabalho em relação ao mesmo período no ano passado, sendo 301 a menos no trimestre. Foram fechadas 11 agências e três postos de atendimento bancários (PABs) no período.

“Os ganhos expressivos obtidos no Brasil não se traduziram em nenhuma contrapartida social, já que o banco segue fechando agências e demitindo milhares de pais e mães de família, trabalhadores que geraram esse lucro astronômico por meio do seu esforço e dedicação”, criticou Maria Rosani, coordenadora da Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Santander.

Sobrecarga Mesmo com redução de agências, PABs e postos de trabalho, a carteira de clientes segue crescendo: 2,154 milhões a mais de clientes em um ano, totalizando 36,537 milhões em junho de 2017. O número de clientes digitais alcançou 7,4 milhões crescimento de 35% em doze meses.

A Carteira de Crédito Ampliada do banco cresceu 5,4% em doze meses e atingiu R$ 324,9 bilhões. As operações com pessoas físicas (PF) cresceram 12,2% em relação a junho de 2016, chegando a R$ 97,4 bilhões, impulsionadas por cartão de crédito, crédito consignado e crédito rural. Já as operações com pessoas jurídicas (PJ) alcançaram R$ 122,3 bilhões, com queda de 2,5% em doze meses. O segmento de pequenas e médias empresas cresceu 0,3%, enquanto o segmento de grandes empresas diminuiu em 3,5% no período. Assim como a carteira PF, a carteira de “financiamento ao consumo”, gerada fora da rede de agências, também apresentou expansão (15,7%) em doze meses, totalizando R$ 37,0 bilhões.

“Isso quer dizer que os trabalhadores banco precisam se desdobrar para atender um número cada vez maior de clientes, gerando sobrecarga de trabalho”, explicou a dirigente sindical.

A receita com prestação de serviços mais a renda das tarifas bancárias cresceu 17% em doze meses, totalizando R$ 7,5 bilhões. Já as despesas de pessoal, inclusive PLR subiram 4,5%, atingindo R$ 4,4 bilhões. O que mostra que o banco consegue cobrir todas as despesas com seu quadro de funcionários somente com as receitas das tarifas cobradas dos clientes e ainda sobra 70,3% do valor. Sem contar os lucros obtidos com as demais transações realizadas pelo banco.

"Esse dado comprova que o Santander não só pode, como deve contratar mais funcionários a fim de prestar melhor atendimento aos clientes que pagam tarifas altas e também para contribuir socialmente com o país que dá tanto lucro para esse banco espanhol”, enfatiza.

Clique AQUI para ver a análise do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) sobre o balanço do Santander do primeiro semestre de 2017.

Fonte: Contraf-CUT

IMG-20170717-WA0000O processo eleitoral do Santanderprevi começou hoje (28), e na mesma manhã já recebemos inúmeros relatos vindos de vários estados sobre má conduta na campanha. Os candidatos do banco, que têm cargo de Diretor e Superintendente Regional, estão ligando para os seus subordinados orientando que façam reuniões para exigir o voto de seus funcionários.

Além disso, gestores do Santander também estão mandando mensagens de campanha via Whatsapp em grupos de trabalho. "E onde fica o processo democrático?", questiona Camilo Fernandes, presidente da Afubesp. "Enquanto os candidatos do banco fazem campanha interna de forma escancarada, nosso candidato foi proibido de entrar na Torre para fazer a distribuição de seu material de campanha", lembra o dirigente sobre episódio ocorrido na terça (25).

Os representantes dos trabalhadores avisam que não aceitarão esse tipo de campanha antidemocrática em que candidatos ligados ao Santander têm livre e total acesso aos participantes, enquanto os candidatos apoiados pela Afubesp e sindicatos não.

NÃO ACEITE PRESSÃO! VOTE EM QUEM VOCÊ SABE QUE VAI VOTAR PELOS SEUS INTERESSES, E NÃO OS DO BANCO.

Fique atento - As eleições vão até o dia 3 de agosto, próxima semana. É importante eleger representantes que estejam alinhados aos interesses dos participantes. O dinheiro do fundo de pensão é nosso, trabalhadores do banco, e não do Santander!

Indicamos o voto em ORLANDO PUCCETTI JUNIOR (Conselho Deliberativo) e PATRÍCIA BASSANIN DELGADO (Conselho Fiscal).

Para votar, vá ao site do SantanderPrevi (www.santanderprevi.com.br) ou sistema intranet.

Sindicato apoia Patrícia Bassanin Delgado para o conselho Fiscal e Orlando Puccetti Junior para o conselho Deliberativo em eleição histórica

IMG-20170717-WA0000

Pela primeira vez na história do SantanderPrevi (antigo HolandaPrevi) – fundo de pensão de mais de 40 mil funcionários do Santander – estão acontecendo eleições democráticas e transparentes para Conselho Deliberativo (1 vaga) e Conselho Fiscal (1 vaga).

O processo eleitoral vai até quinta-feira, 3 de agosto, diretamente no www.santanderprevi.com.br ou diretamente na área restrita do site via Link disponível no Portal RH do empregador.

O Sindicato indica votar em Orlando Puccetti Junior (Conselho Deliberativo) e Patrícia Bassanin Delgado (Conselho Fiscal), pois são nomes que já lutam pelos direitos dos participantes há anos. Ambos foram, inclusive, integrantes do Grupo de Trabalho para debater as questões do SantanderPrevi com o banco.

Conheça os candidatos: Orlando Puccetti Junior para o Conselho Deliberativo É formado em Administração de Empresas e possui 46 anos de experiência como bancário. Ingressou no Banco Sudameris, sucedido pelo Banco ABN AMRO Real e posteriormente pelo Santander. Exerceu diversos cargos de gerência tanto em agências como em departamentos da Direção Central. Durante 15 anos lotado na regional de São Bernardo do Campo como gerente geral, foi eleito para diversos mandatos como dirigente do Sindicato dos Bancários do ABC. Patrícia Bassanin Delgado para o Conselho Fiscal Iniciou sua carreira profissional em 1991 no banco América do Sul, adquirido pelo Sudameris, depois Banco Real e Santander ocupando os cargos de escriturária e assistente comercial. Entrou no meio sindical em 1996, atuando por duas gestões como conselheira fiscal do Sindicato dos Bancários de Campinas e Região. É atualmente diretora de patrimônio da entidade. Tem formação em Educação Física na PUC Campinas.   Propostas: - Lutar contra a submissão da entidade diante da patrocinadora; - Lutar pela participação efetiva de suplentes nos colegiados; - Trabalhar pela implantação de um Comitê de Investimentos; - Comunicar aos participantes e assistidos a gestão dos eleitos, que vão acompanhar com atenção investimentos e analisar resultados obtidos pelo fundo.   representacao de verdade_WEB-1 representacao de verdade_WEB-2

Editar

Sindicato apoia Patrícia Bassanin Delgado para o conselho Fiscal e Orlando Puccetti Junior para o conselho Deliberativo em eleição histórica que vai de 28 de julho e 3 de agosto

IMG-20170717-WA0000O Santander, mais uma vez, mostra seu lado antidemocrático quanto à representação de seus funcionários. Na manhã da terça-feira 25, o candidato apoiado pelos sindicatos ao Conselho Deliberativo do SantanderPrevi Orlando Puccetti Junior foi impedido de conversar com os trabalhadores da Torre JK, sede administrativa do banco em São Paulo.

Barrado pela diretoria do banco que ajudou a construir, Orlando - hoje aposentado - tem 46 anos de experiência como bancário e dedica sua vida ao sindicalismo e à defesa dos direitos dos bancários.

A atitude da diretoria do Santander indignou os trabalhadores, que denunciaram a situação. "É um absurdo que os trabalhadores não possam ter contato com o candidato, principalmente em um contexto de esclarecimento de ideias e propostas para algo importante como o fundo de pensão", critica o presidente da Afubesp, Camilo Fernandes.

Outro lado - Já os candidatos da chapa indicada pelo banco desfrutam de acesso irrestrito aos meios de comunicação para abordar seus funcionários, como sistema intranet e reuniões. "É preciso assegurar que exista igualdade na divulgação da campanha, sem favorecimentos", ressalta Camilo.

É importante destacar que foram oito anos de luta dos sindicatos para que o Santander iniciasse o processo eleitoral no SantanderPrevi, graças a uma decisão judicial definitiva. Com a eleição, os participantes do fundo (antigo HolandaPrevi) poderão ter representantes eleitos pela primeira vez.

Fique atento, participante! -  O processo eleitoral será realizado de 28 de julho a 3 de agosto, diretamente no www.santanderprevi.com.br ou diretamente na área restrita do site via Link disponível no Portal RH do empregador.

O Sindicato dos Bancários do ABC, a Afubesp,  federações e a Contraf-CUT, indica votar em Orlando Puccetti Junior (Conselho Deliberativo) e Patrícia Bassanin Delgado (Conselho Fiscal), nomes que já lutam pelos direitos dos participantes há anos. Ambos foram, inclusive, integrantes do Grupo de Trabalho para debater as questões do SantanderPrevi com o banco.

Fonte: SeebSP