Área restrita

Política do terror leva a advertência e aumenta chance de demissão

O banco Itaú, além de impor a venda de produtos aos clientes, também resolveu punir seus trabalhadores quando há desistência nessas transações. Se o cliente cancela a compra do produto em até quatro meses é o bancário quem sai perdendo, pois os pontos que obteve com essa venda serão retirados, e vão aumentar a meta do mês seguinte. O trabalhador também terá aumentadas suas chances de demissão.

“É inaceitável que o Itaú pratique esse tipo de política. Já cobra metas absurdas diariamente, reduziu o quadro de funcionários e agora ainda vem com esse terrorismo pra cima dos trabalhadores”, aponta a diretora sindical Elaine Cristina Meirelles. Ela lembra, ainda, que os bancários são obrigados a vender os produtos para tentar manter o emprego, e alguns clientes até aceitam a compra, mas, depois, pagando taxas altíssimas, acabam desistindo. “É a ganância do banco que cria essas situações. O Itaú aumentou em 20% sua rentabilidade, mas mesmo assim demitiu mais de 2.700 trabalhadores, e continua piorando as condições de trabalho”, aponta.

A política de advertências por cancelamento de produtos faz parte do programa de avaliação de desempenho (Agir), já questionado pelas entidades sindicais bancárias. Esse lado obscuro do banco, bem distante da “responsabilidade social” que tenta vender ao público, precisa ser conhecido pela sociedade, já que por trás de cada bancário estão famílias que dependem de um emprego digno.

Banco fechou 207 agências em doze meses

O Banco Itaú divulgou balanço do terceiro trimestre, nesta segunda-feira (31), em que apresenta lucro líquido de R$ 5,394 bi. Nos nove primeiros meses de 2016, o lucro líquido recorrente do banco foi de R$ 16,3 bilhões. A rentabilidade sobre o patrimônio líquido médio anualizado foi de 20,0%, com redução de 4,5 pontos percentuais em doze meses. Mesmo com altíssimo patamar de rentabilidade - muito acima do que se verifica no sistema financeiro internacional - e lucrando muito em meio a profunda crise econômica que o país atravessa, o banco continua a fechar agências e a demitir funcionários. Nos últimos doze meses foram cortados e 2.753 postos de trabalho e 207 agências foram fechadas no período.

Segundo a análise do Dieese, a cobertura das despesas de pessoal pelas receitas secundárias do banco foi de 151,2%. As receitas com prestação de serviços mais a renda das tarifas bancárias cresceram 8,8% em doze meses e somaram R$ 24,6 bilhões.

 O banco domina o mercado brasileiro, cresce internamente e na América Latina, sua rentabilidade é altíssima, conforme mais uma vez demonstrado no último balanço, mas reduz postos de trabalho nas agências de “tijolo” o que aumenta a pressão e piora as condições de trabalho. A decisão de investir em agências virtuais reduz o emprego, enquanto há sobrecarga de trabalho para os bancários e atendimento ruim para a população.

Veja aqui a integra da análise do Dieese do balanço do Itaú.

Fonte: Contraf-CUT

Conquista da campanha de 2015, valor da Participação Complementar de Resultado será alterado conforme índice de reajuste da categoria; pagamento vem junto com primeira parcela da PLR
Desde 2013, os bancários do Itaú fecham acordo bianual de PCR (Participação Complementar de Resultados). Em 2015, o valor creditado foi de R$ 2.285, uma vez que o retorno do patrimônio líquido do banco foi maior que 23% no ano. Conforme acordado na Campanha do ano passado, este valor será atualizado de acordo com o índice de reajuste salarial conquistado pela categoria neste ano de 2016.Ou seja, com a aprovação da proposta de reajuste salarial de 8% mais R$ 3.500 de abono, o valor da PCR 2016 ficará em R$ 2.468. Caso o retorno sobre o patrimônio líquido (ROE) do banco seja maior que 23% este ano, a PCR subirá para R$ 2.587. Assim como aconteceu em 2015, a PCR será creditada junto com o pagamento da primeira parcela da PLR. Bolsas – Para 2017, após cobrança do Sindicato, o Itaú concordou em disponibilizar 5 mil bolsas de estudo no valor de R$ 390. Além da primeira graduação, os valores podem ser utilizados para pós ou segunda graduação.  Fonte: Seeb SP

O banco ficou de avaliar uma nova proposta sobre os endividamentos dos trabalhadores ainda neste mês

comissao-de-organizacao-dos-empregados-coe-do-itau-cobra-do-_2ae9555b43ada834f434dc30fb04ade8Em reunião do Grupo de Trabalho (GT) de Saúde e Condições de Trabalho, realizada na tarde desta quinta-feira (11), em São Paulo, entre a Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Itaú e a direção do banco, os representantes dos trabalhadores cobraram do banco o retorno das principais pendências apontadas pelos bancários sobre os assuntos relacionados a saúde e condições de trabalho.

Segundo Adma Gomes, diretora do Sindicato e integrante do GT de Saúde, o banco havia se comprometido trazer devolutivas efetivas sobre as questões que afligem os trabalhadores no local de trabalho. “Esta mesa é muito importante para o movimento sindical, pois trata da saúde do trabalhador bancário e a nossa categoria é a que mais vem se afastando por adoecimentos como a LER (Lesões por Esforços Repetitivos) e DORT (Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho), além dos afastamentos por problemas psíquicos. Por isso, precisamos respostas concretas do banco”, explicou.

O Itaú havia se comprometido, em reunião passada, a trazer devolutivas sobre as questões pendentes, bem como uma solução para a questão do endividamento do trabalhador, além de apresentar dados reais referentes à saúde do trabalhador no ambiente bancário.

Em relação aos endividamentos, os casos onde houve um atraso ou equívoco no cadastramento ou afastamento do funcionário, que acarretou na cobrança indevida, o banco ficou de fazer uma revisão referente ao assunto e se comprometeu, mais uma vez, a acertar as pendências.

“O banco já apresentou alguns programas, só que além de apresenta-los é preciso de fato debater os assuntos e as propostas concretas, que irão melhorar o dia a dia do trabalhador bancário”, acrescentou Adma.

Outra questão pendente é referente aos dados reais sobre a saúde e os números de adoecimento dos trabalhadores no local de trabalho. O banco complementou os dados nesta reunião, estratificados por Estado e ficou de dar continuidade ao assunto na próxima ocasião. Esses dados são importantes para se ter a compreensão real do nível de adoecimento dos bancários do Itaú.

O banco ficou de avaliar uma nova proposta sobre os endividamentos ainda neste mês. A próxima reunião ainda não tem data marcada.

Fonte: Contraf-CUT

Agências do Grande ABC ficarão fechadas durante todo o dia

O Sindicato dos Bancários do ABC promove nesta quarta, 10, paralisação em agências do banco Itaú nas cidades de Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá e Ribeirão Pires. O protesto é motivado pelo desrespeito do banco à livre organização sindical, com perseguição a dirigentes do Sindicato e trabalhadores.

O direito à livre organização sindical é garantido pelo Constituição brasileira e pela Organização Internacional do Trabalho (OIT, em sua convenção 87). O Sindicato já tentou iniciar diálogo com a instituição para evitar tais ocorrências, mas, até o momento, sem sucesso. “Vamos protestar e insistir na necessidade de diálogo”, aponta o presidente do Sindicato, Belmiro Moreira.

Caso o banco não se pronuncie, antecipa, novas manifestações serão realizadas, com a divulgação dos responsáveis pelas agências em que as perseguições estão ocorrendo.

08-10-2016 atividade itaú (2) 08-10-2016 atividade itaú (3) 08-10-2016 atividade itaú (4) 08-10-2016 atividade itaú (5) 08-10-2016 atividade itaú (6) 08-10-2016 atividade itaú (10)

Banco cortou 2.815 empregos em doze meses e fechou 161 agências no país

No primeiro semestre de 2016, o lucro líquido recorrente do Itaú foi de R$ 10,7 bilhões, o que significou uma queda de 10,2% em relação ao mesmo período de 2015. Vale ressaltar, porém, que o resultado sofreu influência do aumento das despesas com provisões para créditos de liquidação duvidosa (PDD’s), as quais subiram 21,3%, totalizando R$ 13,3 bilhões. A análise feita pela subseção do Dieese, na Contraf-CUT, demonstra que a rentabilidade sobre o patrimônio líquido médio anualizado foi de 20,1%, com redução de 4,6 pontos percentuais em doze meses. Outro destaque é que o Itaú Corpbanca (fusão entre Banco Itaú Chile e Corpbanca) passou a ser consolidado nas demonstrações contábeis da holding.

Corte de empregos

O último balanço reforça que o Itaú continua demitindo. O número de empregados da holding no Brasil, ao final do segundo trimestre, foi de 82.213 e teve redução de 3,3%, que representou o corte de 2.815 postos de trabalho em doze meses. No que se refere à rede de atendimento, o banco fechou 161 agências no período, enquanto foram criadas 59 “agências digitais”.

O fim das demissões e mais contratações no Itaú, estão entre as principais reivindicações dos funcionários nesta Campanha Nacional. O fechamento de agências físicas e ampliação das digitais também preocupa os trabalhadores.

Em São Paulo já são sete pontos digitais, o Rio de Janeiro também já conta com um. Até o fim do ano, mais agências digitais serão abertas. Além de cortar empregos, o Itaú mexeu nas relações de trabalho. Os funcionários das agências digitais têm jornada de oito horas. O banco digital em que o Itaú está se transformando vem reduzindo postos de trabalho em todo o país.

Carteira de crédito

A carteira de crédito do banco caiu 5,4% em doze meses, atingindo um montante de R$ 608,6 bilhões (no trimestre houve queda de 4,5%). As operações com pessoas físicas decresceram 2,5% em doze meses, chegando a R$ 182,6 bilhões, tendo permanecido praticamente estável em relação ao 1º trimestre (-0,9%). Ampliaram-se os segmentos de menor risco em PF, como o imobiliário (14,3%) e o consignado (2,1%). Já as operações com pessoas jurídicas alcançaram R$ 184,2 bilhões, sofrendo redução de 14% em doze meses, e queda de 6,2% no trimestre.

Inadimplência e receitas

O índice de inadimplência superior a 90 dias total apresentou elevação de 0,6 ponto percentual no ano, ficando em 3,6% no 1º semestre. No Brasil, esse índice ficou em 4,5%, com elevação de 0,9 ponto percentual.

O Itaú obteve R$ 26,4 bilhões como resultado com a operação Títulos e Valores Mobiliários e com Aplicações Compulsórias, consolidando uma redução de 18,5% em relação ao primeiro semestre do ano passado. Esse movimento foi diretamente influenciado pelo estacionamento da taxa Selic no patamar de 14,25% ao ano, após sucessivos aumentos desde 2014.

As receitas com prestação de serviços mais a renda das tarifas bancárias cresceram 8% em relação a junho de 2015 e somaram R$ 16,1 bilhões, enquanto as despesas de pessoal subiram 13,5%, totalizando R$ 9,9 bilhões. Com isso, a cobertura das despesas de pessoal pelas receitas secundárias do banco foi de 163,3% (8,3 pontos percentuais a menos que em junho de 2015).

Fonte: Contraf-CUT com Dieese

Mais Artigos...